Corro contra o tempo para fazer deste post meu presente de aniversário. No dia 02 de abril de 1979, exatamente aos 15 minutos do novo dia, eu nasci.

Segundo Dona Jane, minha mãe, ela segurou para que o filho não nascesse no Dia da Mentira. Mas como minha mãe teve as contrações e entrou em trabalho de parto no dia 1º, devo então ter nascido um pouco mentiroso.

Acho que não é de todo ruim, até porque o escritor é um contador de causos que,  na maior parte das vezes, não aconteceram. Mentir, mentir, eu não consigo muito. Também reconheço bem uma mentira.

No “face a face” era difícil me pegar no primeiro de abril. Oras, meu aniversário era no dia seguinte! Como esqueceria uma data dessas?

As pessoas que não tem costume de mentir muito geralmente o fazem com o queixo proeminente, uma boca mole, que não deixa a língua agir solta, formando os fonemas com se deveria. Mesmo quando caímos na conversa, acabamos por não compreender bem por causa da dicção comprometida pela vergonha. A gente acaba perguntando:

– Oi?

Ou melhor:

– Sério?

E a pessoa não consegue repetir sem rir. Ou fica com vergonha do que falou.

– Não, tô brincando.

Hoje, no “face book”, é mais difícil. Não dá para saber quem está mentindo. Cada hora, uma difamação aparece, um ponto de vista, um texto escrito por um anônimo creditado a um famoso é compartilhado a cara fez que apertamos F5 para atualizar a nossa tela.

Ah, não usamos F5. Não mais. Enquanto você lê algo, seus programas já avisam que você tem mais oito ou dez atualizações. Quero fazer algo que valha o seu tempo disposto aqui.

São quase 4 anos sem posts regulares neste blog e muita coisa mudou. Muita coisa mudou para mim também. Se o blog era para falar sobre as coisas que vivia como um capixaba aprendendo sobre o Rio, quero agora falar sobre as coisas que aprendi nesse tempo “fora”.

É claro que falaremos do hoje, até quando falamos do passado o pensamos com a cabeça de agora.

Apesar do tom sério desse texto, o nome do blog não mudou. Aqui, é para falar sobre as coisas que chateiam, mas que também nos fazem rir.

Principalmente se não for com você, né?

Vamos tentar novamente? Eu rio Muito, semanalmente no ar. Se tiver algo excepcional no meio do caminho (leia-se da semana), eu escrevo aqui também.

Um abraço para todos.

Estevão Ribeiro

Versão 3.4

Anúncios